Teoria da Relatividade abre novas dimensões perceptivas no retiro de inverno

A sétima edição das Imersões de Corpo e Movimento na Natureza aconteceu em São Lourenço da Serra, no interior de São Paulo, no fim de semana mais frio de todo o inverno. Mas assim como o tempo e o espaço, os participantes do retiro mudaram sua perspectiva do frio, a partir de experiências de corpo, movimento, contemplação e trocas mais que especiais, tanto pela palavra como por freqüências indizíveis da comunicação. Conectando micro dimensões do universo corporal, às macro dimensões do cosmos. Incluindo paralelos com a vida de cada um e as dinâmicas da sociedade.

Tudo isso, orientados pela investigação da Relatividade e seus desdobramentos para além da ciência. Se a Física já ensinou que tempo e espaço são dimensões relativas a um ponto de observação, o corpo nos indica que tudo depende da intenção. Sim, os fenômenos físicos continuam lá, mas podem passar despercebidos se não acionamos os sentidos para nos apropriarmos da relatividade.

Ao mergulhar em experiências que revelam as variações de tempo e espaço o grupo da imersão de inverno lançou conexões com fenômenos do próprio corpo, da sociedade, do ambiente e do cosmos. E reconheceu que o encontro entre leis da física e as intenções humanas pode gerar reflexões poderosas e poesia.

Explorar percepções da Relatividade foi um modo de estabelecer uma ponte para o que nos torna parte das dimensões macro e micro do universo. E também, para o constante diálogo com o que nos torna vivos e criadores-intérpretes da dança instigante que atravessa desde os átomos até os planetas e estrelas do firmamento.

Estavam abertas novas perspectivas para ser humano.

O corpo integrado e a sociedade sã precisam mais do que curtidas

Esconderam as curtidas no Instagram para reduzir ansiedade, dependência, competição, frustração. Arriscaria o palpite que a “gigante” das redes sociais teme também ações judiciais em massa, como o que aconteceu com a indústria do cigarro no fim do século XX. Há alguns anos, ações coletivas em virtude de invasão de privacidade já são parte do dia-a-dia do Facebook, por exemplo.

Mas a iniciativa do Insta diz respeito a outros desdobramentos da vida digital: a depressão e a solidão. Seguidores, curtidas e compartilhamentos atestam graus de engajamento, mas não preenchem a alma humana na mesma intensidade que causam dependência – sim, já existem estudos que mostram que o efeito no cérebro é semelhante ao da cocaína.

Essa impossibilidade de preenchimento é porque não sentimos só com os olhos, as pontas dos dedos, e os limitados impulsos elétricos que as telas geram nos neurônios. O corpo é um sistema integrado, em camadas biofísicas, subjetivas, ecosomáticas e outras indefiníveis. Demanda tato, conversa, presença, e vivência com trocas sobre o que é sentir-se em dúvida, descordar, desgostar, estabelecer confiança, encantar-se, identificar-se … com o outro … vivo … presente. Não com a tela!

Os estímulos da presença de um corpo perante outro corpo são inúmeros, vibrantes e necessários para o ser humano. As migalhas que as telas proporcionam são bons aperitivos, mas não fazem um banquete. E quem se alimenta só de salgadinho, acaba adoecendo.

Para viver a era digital com plenitude é preciso corporalizar o cotidiano, cultivar experiências presenciais, relativizar o peso do virtual. Experimentar o coletivo encarnado é também uma oportunidade de construir senso crítico, compaixão e ética. Longe do anonimato covarde, da certeza egocêntrica e da incógnita dos efeitos de um post, de um comentário, de uma fakenews.

Para que essas iniciativas não dependam da boa ação, da gestão de risco ou da crise de consciência das empresas responsáveis pelas redes sociais, precisamos alimentar o sentido de interação encarnada e de comunidade. E precisamos de educação integrada, que olhe par o ser humano não como um produtor, mas pela complexidade que o caracteriza. Vale para os pais, para os estudantes, para os eleitores e para os formuladores de políticas públicas.

Gadgets, o virtual e o corpo que sabe de si

Um efeito da era digital em rede é que tudo o que é vivo passa a ter uma tradução e uma dimensão de existência em forma de dados e imagens. Para o corpo não é diferente. Assim como suas interações com o ambiente e a sociedade tornam-se conteúdo multimídia nas redes sociais, a estrutura e o funcionamento do corpo podem ser mensurados e visualizados como informação digital. E isso não é mais privilégio de cientistas.

Na vida privada, um app no celular ou uma pulseira no braço mapeiam o desempenho na corrida, a qualidade do sono, as condições de pressão e temperatura do corpo e além. E eventualmente esses dados acabarão compartilhados em alguma rede digital – social, médica, da publicidade, do governo, de empresas. O conhecimento sobre o corpo se amplia e ele passa a ter uma vida própria enquanto conjunto de dados que navega os meios digitais.

Não faltam questões fascinantes para refletir sobre esse contexto, mas destaco uma pegadinha em especial. Ao confiar no digital para reconhecer dimensões do vivo, corremos o risco de dispensar os sentidos biofísicos e subjetivos do corpo para perceber a si mesmo e ao ambiente que habita. O digital traz as informações como algo definitivo, números, estatísticas, imagens. Os dispositivos que monitoram é que passam a acompanhar os processos do vivo. Nós ficamos com os registros digitais desses processos.

As experiências de vivenciar o sono e a falta dele, de reconhecer o caminhar ou a respiração no esporte, de lutar contra doenças … vão perdendo a demanda da atenção a si mesmo. O dispositivo X ou Y resume todo o processo. O humano fica com o foco “livre” para desempenhar suas tarefas do dia-a-dia.

Mas essa percepção de si convocando o universo corporal está na essência do Homo sapiens sapiens – a espécie que sabe … e que sabe que sabe … e que sabe de si.

O saber de si significa abrir escuta para si mesmo, significa incomodar-se com seus limites e fragilidades, empolgar-se com suas potências e descobertas, encantar-se com a beleza de ser um sistema vivo integrado, que pensa e sente e é codependente da natureza que o cerca. Não apenas um sistema que pode ser mensurado em suas funções para ser corrigido e aprimorado, ou que produz imagens e discursos a serem avaliados em uma rede digital.

Está aí um bom desafio aos humanos do século XXI. Como desfrutar das possibilidades inebriantes dos recursos digitais e das personas virtuais sem que todo o sabor da vida seja transferido para essas dimensões? Como combinar a experiência corpórea em todas as suas camadas às dimensões da experiência virtual? Se evitar o digital é provavelmente impossível e um desperdício, de outro lado tem sido cômodo e comum reduzir a produção de sentido no viver para as dimensões digitais. Demanda pouca energia do corpo e entretém.

Isto seria suficiente se o corpo existisse apenas no nível de realidade em que respiramos e nos alimentamos e reproduzimos. Mas o corpo envolve também os níveis do afeto, da troca social presente, de produção da cultura no coletivo, de experiências simbólicas e de transcendência, sem as quais fica deficiente em camadas que lhe são próprias. Daí a depressão, a ansiedade, a solidão, o medo.

É verdade que todos esses casos podem ser remediados com pílulas. Mas se o que elas fazem é aplacar as sensações e emoções decorrente dos vazios e desentendimentos de si, estamos produzindo um discurso de que viver na era digital demanda desligar as dimensões mais sensórias, sutis e complexas do corpo.

Estamos diante de um dilema. O mesmo corpo que se beneficia em ganhar uma dimensão de existência virtual, que encontra atalhos no digital para a percepção e para o entendimento de seus processos, e que torna-se aparentemente pleno e potente nos discursos que produz nas redes digitais, acaba padecendo frente à incompletude desse viver virtual, incapaz de nutrir todas as camadas e sutilezas do corpo encarnado.

É preciso ao mesmo tempo ouvir o corpo na sua demanda por uma experiência completa e ludibria-lo na sua capacidade de se entregar e se viciar na dimensão digital da sua existência. Como fazer isso? Um bom caminho é cuidar dos dois elementos essenciais ao humano. Um é sua qualidade de sistema vivo – e todo sistema vivo tem movimento. Portanto, mova-se! O outro é a qualidade do Homo sapiens sapiens de saber de si. Não se contente com o que dizem os gadgets e as redes. Convoque seus sentidos corporais para saber de si. Busque meditar, ampliar escuta, percepção, consciência corporal, ter experiências de corpo encarnado presente no ambiente, tocar, ser tocado … e, às vezes, abra mão da timeline e dos gadgets.

SEPARAMOS CONTEÚDO INSPIRADOR PARA VOCÊ IR MAIS FUNDO NESTE ASSUNTO:

2018072_gadgets_crcls