EDUCAÇÃO POTENTE: perspectiva integrada a partir do corpo

::   s e r v i ç o s   c o n e c s o m a   ::

_______________________________________
Perspectiva integrada é uma expressão-chave para o pensamento do século XXI, influenciado pelas dinâmicas em rede dos meios digitais. Mas não se trata de uma fórmula pronta. Há que experimentar novos modos de fazer para buscar a conexão entre conhecimentos, visões, fenômenos e experiências, abrindo caminho para lidar com desafios contemporâneos.

20171009_154543

A Educação constitui campo fértil para esse movimento. E o corpo surge como referência, nos temas mais variados, para a construção de lógicas que não se restringem ao racional, para estimular arranjos sensoriais e subjetivos de quem aprende, e para trazer novos modos de investigar e expressar conhecimento.

Isso porque o corpo é nosso universo de percepção e expressão no mundo. E é em si uma rede de estruturas, organismos e fluxos de informação, seja da pele para dentro ou para fora. Essa qualidade gera a potência de cada um perceber-se a si mesmo e reconhecer fenômenos de um grupo, de uma sociedade e de fluxos da natureza a partir das conexões que o universo corporal é capaz de estabelecer.

O projeto ConeCsoma dedica-se a levar a potência do corpo a processos formativos, seja no contexto da educação formal universitária e acadêmica, seja na interface com formações pontuais de organizações e grupos de pessoas.

Confira abaixo exemplos de como temos atuado e entre em contato para saber mais (11.3280.9879).


20160303_fis_ed12_fx1.jpg
Apoio à Formação Integrada para Sustentabilidade (FIS)

O FIS, como é conhecida essa disciplina eletiva de graduação da FGV-SP, tem dois princípios norteadores para o percurso formativo de cada semestre: a Transdisciplinariedade e a Teoria U. Ambas cultivam a formação do estudante em relação a um determinado assunto ou desafio juntamente com a formação de si mesmo. As duas abordagens também cultivam a razão sensível e experiências envolvendo arte e corpo para estimular outros modos de perceber, compreender, relacionar-se. Neste sentido, o Núcleo de Formação Integrada do GVces conta com a participação de Ricardo Barretto, mentor do projeto ConeCsoma, para adensar a perspectiva do corpo na formulação do percurso formativo de cada semestre, na proposição e aplicação de sensibilizações e no desenvolvimento de aulas e dinâmicas centradas no universo corporal.

Veja mais sobre esse trabalho acompanhando #encorpaFIS no Facebook.

20170919_ms_t2_gdApoio ao Mestrado Profissional em Sustentabilidade da FGV-EAESP

Organizações privadas e públicas têm se deparado cada vez mais com desafios como conduzir suas atividades respeitando os limites do meio ambiente, contribuir para condições mínimas de bem-estar da sociedade, gerar resultados de modo transparente e aproveitar as oportunidades de inovação latentes em um mundo onde sociedade, natureza e tecnologia estão cada vez mais conectados.

De certo, os profissionais que atuam nessas organizações demandam conhecimento, abertura e visão integrada para contribuir com esse esforço. O Mestrado Profissional concebido pelo GVces propicia uma formação neste sentido, bebendo de referências como a Teoria U e a Transdisciplinariedade. Assim, o corpo surge como fonte de experiências para a autoformação dos alunos, estímulo a novos modos de fazer e refletir sobre desafios da sustentabilidade, e referência para a construção de uma perspectiva sistêmica que não se limite à lógica racional. O Núcleo de Formação Integrada do GVces conta com a participação de Ricardo Barretto, mentor do projeto ConeCsoma, para entremear a perspectiva do corpo em sensibilizações, dinâmicas e aulas centradas no universo corporal.

20170808_au_gvcult_1Corpo em movimento para fortalecer a vida cultural e desenvolvimento pessoal na FGV em São Paulo

O GVcult é uma agremiação de alunos da FGV em São Paulo que propõe atividades culturais para a comunidade de estudantes e profissionais que atuam na escola. Em 2017, o GVcult abriu espaço para um encontro semanal de corpo e movimento, com a intenção de dar espaço a atividades que pudessem tanto estimular a vida cultural das escolas em São Paulo, como trazer novas visões para os alunos, ampliar sua formação e seus recursos para vida profissional e pessoal, e ainda estimular outros modos de utilizar o espaço físico da FGV. As aulas de dança, facilitadas por Ricardo Barretto, trouxeram como foco a conexão entre alunos, ressignificado a relação com o propósito da sala de aula, e revelando a potência da consciência corporal e do movimento em gerar conhecimento sobre si mesmo e a vida.

Veja mais sobre esse trabalho acompanhando #encorpaGV no Facebook e no Instagram.