Ciclos convidam a perceber e questionar

Quando fenômenos se repetem. Quanto têm começo, meio e fim. Quando marcam passagem do tempo. Quando viram registro ou referência para lembrar e reconhecer. Quando integram outros fenômenos em uma mesma dinâmica.

Assim se fazem os ciclos, desde a natureza (do cosmos às células e seus constituintes), passando por nós humanos – tanto no que é orgânico, como no que é sensação, sentimento e pensamento – e revelando o que nos faz sociedade: economia, destruição, colaboração, afetos…

Alguns ciclos se estabelecem independente da nossa vontade ou ação, nos resta observá-los e interagir – como nas estações do ano. Outros nos provocam o autoquestionamento, a necessidade de romper com o que drena fluxos da vida. É o que acontece nos relacionamentos perversos, nos conflitos, na inércia.

E há também aqueles ciclos que se fazem a partir de um olhar, de uma intenção, de um tipo de presença … de uma opção por interagir e transformar. São os ciclos que criamos nós mesmos, com todos os sentidos do corpo, interagindo com os ambientes que nos envolvem e com as relações que atravessam a sociedade. Estão na arte, nos rituais, nos desafios ao status quo, na construção de amizades…

Na perspectiva do humano, os ciclos são um convite para desfrutar um quê de poético que a vida tem e às vezes passa batido quando existimos em modo automático.

O corpo e a natureza nos ensinam a conviver com os ciclos, que muitas vezes demandam energia e serenidade para nos mantermos presentes, confiantes, permeáveis, apesar dos indícios. Pense na política hoje. Pense na crise ambiental.

Ao mesmo tempo em que lembram que nunca existe um ciclo único. Ciclos diferentes convivem a todo tempo e se alguns podem ser mais exaustivos, outros podem ser fertilizadores e transformadores. Um corpo que vence os efeitos de um acidente. Um ecossistema que se regenera após o fogo. Uma nação que vence injustiças.

Reconhecer e dialogar com os ciclos abre espaço para autoconhecimento, conexão com dinâmicas da sociedade e da natureza. Com noções de finitude, criação, renovação, memória, afeto, coletividade e autonomia. Do que é incontrolável e do que é acalentador.

SELECIONAMOS CONTEÚDO INSPIRADOR PARA VOCÊ IR MAIS FUNDO NESTE ASSUNTO:

20180603_ciclos_crcls

 

Imersão de Corpo e Movimento na Natureza – Inverno 2018

O retiro de inverno (2018) acontece entre o dia 6 e 9 de julho (feriado). Inscrições abertas!

20180421_icmn_9_ed1_olDa infância à velhice passamos por diversas fases semelhantes entre os seres humanos. Na singularidade de cada existência, essas fases podem revelar ciclos próprios de cada pessoa, relacionados a sua história, seus modos de compreender e relacionar-se com o mundo. E o mundo, também, revela seus próprios ciclos – seja na economia, na política, na cultura, seja nos fenômenos da natureza que permeiam desde as dimensões macro do cosmos até as dimensões micro do corpo.

O ConeCsoma convida você para uma imersão na natureza, de 6 a 9 de julho, onde iremos explorar os ciclos singulares, comuns e ecológicas que atravessam nossa existência. Faremos isso por meio de consciência corporal, de interação com o ambiente e de experimentações do mover do corpo no espaço. E ainda doses de reflexão, conversa, imagens e contemplação. Inscreva-se aqui

Explorar noções e percepções de ciclos em diferentes dimensões estabelece uma ponte com o que nos torna únicos e, ao mesmo tempo, parte de uma coletividade e dos fenômenos próprios do que é vivo. Ou seja, abre espaço para nos reconhecermos e relacionarmos para além da ideia de indivíduos.

PERCURSO

b6d8119e-6445-4aee-95ce-bb3ac87f129eNesta imersão viajaremos para uma região de Mata Atlântica em São Paulo. Ali investigaremos consciência corporal e qualidades do mover para estimular cada participante a reconhecer diferentes referências sobre ciclos na matéria, no movimento e nos fluxos ligados ao corpo e nas suas trajetórias físicas e subjetivas.

Vamos dialogar com as percepções e padrões associados a esses ciclos. E investigaremos novos modos de mover, encontrando potências e o prazer de perceber, desfrutar e criar nossos próprios movimentos, trajetórias e ritmos.

Tudo isso, sob a orientação do educador somático Ricardo Barretto, a partir de princípios do Body-Mind Centering® e da dança contemporânea, além de princípios da sustentabilidade e das ciências da comunicação. Sempre respeitando e valorizando as singularidades de cada um e as relações com os outros e o ambiente.

.

6830582As experiências dessa imersão envolverão:.

> dinâmicas de consciência corporal e exploração do movimento para reconhecer perspectivas de ciclos na matéria, no movimento e nos fluxos do corpo e do ambiente, e para desenvolver modos singulares de mover e interagir com o ambiente e com os outros

> contemplação de ciclos nas estruturas e dinâmicas da natureza, aproveitando a paisagem como um lugar de aprendizado e inspiração para o corpo e o viver

> criação de repertório de movimento a partir da exploração de referências de ciclos, gerando e apropriando-se de novos modos de mover e estar presente

> interação por meio de jogos de improviso e dinâmicas de movimento, estimulando a potência da relação no coletivo

> compartilhamento de percepções e descobertas a partir do que vivemos e conversas sobre aspectos da sociedade e da ecologia a partir de ciclos da trajetória humana no mundo e dos insights de cada participante

As práticas têm início no sábado, dia 7/7, às 9h, mas encorajamos que todos os participantes viagem na sexta-feira, 6/7, para integração de grupo à noite e para uma introdução experiencial à imersão do fim de semana.

*Ajudaremos a organizar possíveis caronas entre os interessados.

*Estaremos hospedados na mesma casa e as refeições estão inclusas no pacote.

Investimento: R$ 500,00
15 vagas > daremos preferência a quem confirmar até 12/6
Reservas, Inscrições ou Dúvidas aqui

FACILITAÇÃO: RICARDO BARRETTO

Comunicólogo e educador somático, Ricardo é o mentor do projeto ConeCsoma que promove conexões a partir do corpo e para além dele. Atua há mais de 15 anos como comunicador na área de sustentabilidade e como movedor, em contextos artísticos e educacionais. Seu trabalho corporal bebe em três fontes: o entendimento da Comunicação como toda dinâmica de fluxos e trocas; o estudo de dança contemporânea e abordagens somáticas como o Body-Mind Centering®; e as noções de interdependência e visão integrada que caracterizam o pensamento da sustentabilidade.

A fusão e aprofundamento da pesquisa desses saberes integrados teve início em 2008, com sua atuação profissional no Centro de Estudos em Sustentabilidade da FGV-EAESP, e por meio de pós-graduação na ECA-USP, da formação em BMC®, da atuação como facilitador e educador somático e da participação no Núcleo de Formação Integrada do GVces.

SOBRE AS IMERSÕES DE CORPO E MOVIMENTO NA NATUREZA

Iniciativa que surge em 2017 como desdobramento das Experiências de Corpo e Movimento, que Ricardo Barretto oferece semanalmente no Lab-C, o laboratório de experimentações do ConeCsoma. A ideia é aprofundar a proposta de educação para o movimento e de conexões a partir do corpo. Daí, um mergulho na natureza, com mais tempo e inspiração para perceber e explorar os fluxos informativos que atravessam o corpo e o conectam ao ambiente. Sempre de modo estimulante e com respiro para digerir os aprendizados que surgem, curtir a natureza e criar laços entre as pessoas. Atualmente, realizamos uma Imersão de Corpo e Movimento na Natureza a cada três meses.