Traduções entre corpo e natureza no retiro de verão 2020

O primeiro retiro de 2020 aconteceu neste fim de semana, em meio ao sol e chuva de verão na região de Atibaia, em São Paulo. Dessa vez, exploramos como corpo, percepção e conhecimento ajudam a traduzir fenômenos da natureza e das relações humanas. O pano de fundo desse retiro foi a noção de que as dinâmicas que estimulam e garantem a sustentação da vida nem sempre são evidentes ao primeiro contato. Trocas, combinações, reações, segmentações, caos, organização, rupturas, recriações, nascimentos. Desde dimensões microscópicas até os fenômenos cósmicos, o que é vivo está envolto em segredos e códigos próprios. Seja na natureza, no corpo, nas relações humanas, na sociedade. Esses mistérios não são impenetráveis e a todo tempo a vida oferece referências que traduzem essas dinâmicas em expressões que o ser humano é capaz de compreender … se abrir os sentidos e aguçar a percepção.

Assim, para iniciar o ano com a vitalidade do verão, o ConeCsoma se inspirou na ideia de “Traduções” a partir do corpo e para além dele, e sob a facilitação de Ricardo Barretto conduziu experiências por meio de consciência corporal, de interação com o ambiente e de experimentações do mover do corpo no espaço e no tempo. E ainda doses de reflexão, conversa, imagens e contemplação.

Algo inédito dessa vez é que nossa imersão foi só de mulheres, o que ajudou a trazer discussões do feminino para as nossas experiências de consciência corporal e investigação de movimento. A perspectiva do feminino ajudou a explorar como a vida realiza seus gestos de Tradução e estabelecer pontes com o que nos torna parte das dimensões macro e micro do universo. Além de conectar o público participante com o que gera no humano a potência de um criador-intérprete da dança universal que atravessa dos átomos às galáxias.

Ou seja, abrimos novas perspectivas para ser humano.

EDIÇÕES ANTERIORES

20191201_124609.jpgPrimavera 2019

Inverno 2019

Outono 2019

Verão 2019

Primavera 2018

Inverno 2018

Outono 2018

Verão 2017

Mapas culturais digitais conectam criadores, público e multiplicadores

Para orientar o público, para nortear profissionais, para dar luz a excluídos, para servir aos curiosos, para saciar os obstinados. Tantos interesses dão origem a mapas digitais e colaborativos. Em tempos de sociedade em rede, encontrar iniciativas que instigam pode ser uma questão de boca-a-boca, mas também de um clique. Em comum, a conexão de corpos que buscam e corpos que oferecem por meio dos dispositivos digitais interconectados. Veja algumas plataformas que pinçamos na web.

SELECIONAMOS CONTEÚDO MULTIMÍDIA PARA VOCÊ IR MAIS FUNDO NESTE ASSUNTO:

20180430_mapaimigrantes_circulos