Restrições e estímulos ao corpo pelo online

Chegamos a 3 meses de atividades online. Como tem sido? Certamente são bem diferentes do encontro presencial que permite sentir o grupo em cada experiência ou a pessoa em cada atendimento. O 2D das telas deixa de lado a interação e a convocação dos sentidos todos do corpo. Também não é possível tocar para orientar melhor as investigações de consciência corporal e movimento. Sem falar nas saudades de mover livremente em um ambiente 3D, aguçando a percepção do espaço, sem as distrações da tela.

Mas o online traz surpresas que as rotinas, tempos e hábitos da cidade às vezes não permitem. É o que dizem os depoimentos de pessoas que descobriram novas sensações e se permitiram algumas ousadias na dança por estarem no acolhimento de casa, sem o acanhamento que o olhar do outro pode trazer. Também as possibilidades de romper com a apatia da quarentena, descobrindo novos modos de interagir com o lugar que se habita e de reconhecer a si mesmo. Ou ainda perceber a planificação das telas é desafiada quando engajamos as diferentes camadas do corpo, das mais físicas às mais subjetivas e transcendentais.

Continuamos esperando pela volta do presencial. Mas inspirados pela potência que atravessa o online. Junte-se a nós: conecsoma.com.br (link na bio) ou mande mensagem.

Ampliar o horizonte de pessoas e organizações a partir do corpo

O corpo é uma rede viva que se relaciona com o mundo por meio de sensação, sentimento, movimento e pensamento. Mover e explorar o universo corporal traz vigor e sensibilidade. Gera também descobertas, conhecimento e transformações que vão além do próprio corpo.

O projeto ConeCsoma® ajuda a acessar essa potência corporal para indivíduos, grupos e organizações, por meio de conteúdo digital, de um espaço-laboratório com aulas e oficinas, e de atividades para promover desenvolvimento pessoal, inovar a educação superior, e levar novas perspectivas a organizações.

Entenda a proposta
Como atua
Espaço ConeCsoma
Quem está envolvido
Significado e contexto
Entre em contato

Foto: Human Blood Cells – ZeissMicroscopy

Impressões que atravessam do mundo antigo à era digital

O que têm em comum as ações triviais de passear pelo centro histórico de uma cidade e de digitar num teclado? Elas têm a ver com o momento em que o corpo passou a imprimir palavras no papel. Eu explico.

Em meados do século XV, o desenvolvimento da prensa móvel abre espaço para um novo modo de guardar e transmitir informações, de pensar, de organizar coisas e de relação com o ambiente. Isso porque a lógica das máquinas de impressão – e dos livros organizados em linhas, parágrafos, capítulos, volumes – estimularam uma perspectiva de sistematização da realidade. Encarando-a a partir de princípios matemáticos e de ordenamento.

Um exemplo são as representações gráficas do globo terrestre. Definir territórios de modo geométrico leva ao aprimoramento das rotas de navegação, à demarcação de fronteiras e de propriedades de terras, e traz para o espaço urbano a busca por uma forma estética sistematizada, por meio de ruas, edifícios, bairros, equipamentos urbanos.

Essa transformação no entendimento e na relação com o espaço estende-se até outros fenômenos político-sociais, como as missões de colonização e evangelização. Isso porque substituíam a mentalidade e o espaço nativos pelas formas de concepção dos conquistadores europeus. E mesmo nas metrópoles europeias surge uma cultura de imposição para lidar com os problemas da expansão urbana pós-revolução industrial. A organização e o controle do espaço tornam-se uma prioridade para governos, políticos e sociedade. E a arquitetura é aplicada para mudar o estilo de vida dos cidadãos.

A sistematização da vida e dos ambientes exprime uma forma de tornar o espaço conhecido, sem ameaças, dominado. É uma forma de habitar pela conquista do ambiente. O espaço, a sociedade, os corpos passam a ser moldados assim como a palavra impressa molda as palavras e as lógicas do pensamento sobre o papel.

Esse modelo mental torna-se tão arraigado que, mesmo na era digital e da comunicação em rede, ele continua impresso na geografia das cidades e nos corpos que digitam.

SELECIONAMOS CONTEÚDO INSPIRADOR PARA VOCÊ IR MAIS FUNDO NESTE ASSUNTO:

20180519_impressa_crcls