O movimento socioambiental acompanha o mundo em transformação?

A pandemia mostrou que, além de conhecimento formal, é preciso nutrir o espírito e os afetos. Estes elementos costumam ser menosprezados no discurso socioambiental, o que ajuda a explicar por que preservar a natureza é algo bem visto nas pesquisas, mas sentido como algo distante pelas pessoas no dia-a-dia

Fomos todos lançados em uma espécie de laboratório em que os experimentos pandêmicos questionam não só as relações com o ambiente, as dinâmicas da economia e as desigualdades na sociedade, mas também os laços de família, as fragilidades do corpo, as possibilidades e limites do virtual, o lugar do contato presencial no século XXI, as condições para a saúde mental, os modos de pensar.

Mas quem acompanha as ações, pesquisas e discursos dos agentes que sustentam a pauta socioambiental reconhece apenas parte desses elementos nos temas abordados – com destaque para a relação entre coronavírus, perda da biodiversidade e lições para a questão climática.

O mundo em pandemia revela que a perspectiva integrada tão cara à sustentabilidade não diz respeito apenas à interdependência entre dimensões ambientais, econômicas e sociais. A vida íntima de cada pessoa em quarentena, em seus matizes emocionais, subjetivos e relacionais, agora está claramente ligada aos rumos do planeta. E são estes seres humanos que ajudarão a delinear prioridades no que está por vir.

Sobre esse futuro incerto, argumentos racionais têm sido apresentados com certa desenvoltura e apontam para a relevância das consequências do desequilíbrio ecossistêmico, da cooperação entre áreas de conhecimento, da demanda por instituições e governança consistentes, e da capacidade de adaptação humana. Mas tais argumentos estão restritos à ordem pragmática: como analisar, como operar, como reestruturar, como resolver.

Essa é uma realidade que se repete mundo afora, onde possíveis desdobramentos da pandemia incluem um plano de recuperação na Europa associado à questão do clima, e a indicação de que Joe Biden fará do Green New Deal sua bandeira de campanha para a recuperação da economia nos Estados Unidos.

No entanto, o pragmatismo dessas estratégias guarda um estímulo de fundo mais emocional: o diálogo com anseios da juventude, personificada no impulso apaixonado de Greta Thunberg, na Europa, e nas vozes dos jovens seguidores de Bernie Senders, nos EUA, confiantes de que podem mudar o mundo. Os sinais de ajuste de rota no Hemisfério Norte poderiam até estimular a China a intensificar o coeficiente verde de suas ações pós-pandemia.

Já no Brasil, esse panorama não implica uma grande guinada, uma vez que o atual governo é avesso a agregar o elemento socioambiental ao desenvolvimento, enquanto o Congresso é bastante conservador – o que poderia representar uma barreira a políticas de caráter mais sustentável, mesmo na hipótese de uma mudança de governo. Nesse contexto, a opinião pública seria essencial para impulsionar uma retomada econômica que valorize natureza e sociedade.

Especialistas e entusiastas que dispõem de espaço nas mídias podem engrossar o coro da opinião pública que defende uma recuperação mais verde e inclusiva no Brasil, se o quadro internacional de fato se mover no sentido de novas economias descarbonizadas. A pressão consistente nas redes sociais é o que hoje contribui decisivamente para mudar os humores de políticos e organizações. A população, entretanto, agrega impulso limitado a essa dinâmica, já que historicamente defende a integridade socioambiental por espasmos que surgem das grandes hecatombes.

Nesse sentido, imaginar um país que siga sua vocação de economia verde e inclusiva, e acompanhe uma eventual mudança nos rumos da história global, significa olhar não só para os argumentos lógicos que apoiam essa guinada. É também contar com um espírito coletivo permanente que de fato sinta o valor de atrelar a economia à preservação da natureza e das pessoas afetadas por ela. Ou seja, é preciso, para além de uma abordagem racional, estimular a sensibilidade brasileira, tão combalida pela história recente da polarização e dos negacionismos.

Ailton Krenak tem repetido que uma enorme falha na concepção de “desenvolvimento sustentável” é que este não dialoga com a ausência de intimidade e do sagrado na relação dos cidadãos com a natureza.

Sim, a ciência é fundamental, assim como a política. Mas o que a pandemia tem nos ensinado é que juntamente com as questões básicas da existência – comida, renda, segurança, saúde – estamos acometidos e identificados também por questões mais subjetivas: falta de abraço, saudades de pessoas queridas, dificuldade nos relacionamentos em casa, ansiedade entre paredes e telas, privação de mobilidade física e geográfica, baixa inspiração, instabilidade na saúde mental, afrouxamento das aspirações humanas, fé colocada à prova…

Para o corpo, que é nosso universo de percepção e expressão no mundo, não há distinção: se conseguir o que comer mas estiver prejudicado nos aspectos sensíveis, ainda assim sentirá um vazio.

Trocando em miúdos, as ações humanas e a pauta socioambiental estão atreladas a elementos que dão sentido à vida, de modo geral. A vida com sentido tem valor e é mais bem cuidada. A vida como números e dados digitais é mais descartável, pois não instiga afeto. Estabelecer vínculo é, portanto, essencial para dar sentido à vida, seja na dimensão macro que nos conecta à ecosfera, seja nutrindo essências humanas. A falta de sentido na vida e de vínculos contribui enormemente para atitudes que degradam a natureza, vitimizam pessoas na sociedade, geram comportamentos autodestrutivos.

Tal constatação é ainda mais relevante nesse momento de isolamento social, que reduz a potência existencial, experiencial e relacional do humano, adensando um estado coletivo de ansiedade e escassez sobre o sentido da vida. É urgente, portanto, integrar o conhecimento formal com a necessidade de nutrir o espírito, os afetos. Elementos estes que comumente são menosprezados no discurso socioambiental e ajudam a explicar por que preservar a natureza é algo bem visto nas pesquisas, porém é sentido como distante pelas pessoas no dia-a-dia.

No mundo da lógica racional, sempre foi óbvia para o movimento socioambiental a necessidade de apresentar os dados e apontar os dedos. Mas em um mundo privado de afetos, ansiando por vínculo, o diálogo ativista com as transformações de que tanto se fala deve também empenhar sua dose de mudança. Instigar ainda mais pessoas a se envolverem com a pauta socioambiental de modo perene não depende apenas de boas imagens, discursos marotos, manifestações ruidosas e dados irrefutáveis.

É preciso que os cidadãos estejam nutridos em seu arranjo sensível para estabelecer vínculos e uma relação de cuidado nas dimensões do si mesmo, do outro, do coletivo, do ecossistêmico.

O movimento socioambiental aposta que é possível desviar a humanidade da rota que leva a mundo de epidemias sem fim, catástrofes climáticas, extinção da biodiversidade e disrupção de ciclos naturais. Então é preciso focar não só nos problemas, mas também no principal fator que determina se e como cuidamos da vida: as camadas profundas do humano. Um desafio hercúleo, de fato, mas que responde à complexidade da crise que vivemos.

Artigo publicado na coluna de Ricardo Barretto em maio na Revista Página22:

O movimento socioambiental acompanha o mundo em transformação?

Mobilizar o corpo para modificar paradigmas

Temos ouvido com frequência que o governo cria “cortina de fumaça” e que “desvia o foco do que é mais importante” – leia-se a economia e a reforma da previdência. Mas a insanidade do governo lhe confere uma consistência admirável no projeto que é o mesmo desde a campanha: modificar a trama civilizatória do país.

Neste sentido, nada é mais relevante e fundamental que as iniciativas que afetam as subjetividades, o imaginário, os modos de dialogar, de expressar-se, de nutrir sentimentos e laços, de construir espírito de comunidade. É ingênuo, opaco ou conivente quem acredita que bastará o país “reencontrar o rumo” da economia, se a sociedade estiver em frangalhos.

E reduzir-nos a cacos tem sido o projeto do governo atual, que em alguns meses já colhe seus frutos, como muito bem retratou a Eliane Brum em artigo no EL PAÍS Brasil É o que atestam psicanalistas e o diagnóstico de que pessoas estão “adoecendo de Brasil”. É o que atestam as pequenas censuras de cada cidadão nos seus modos de viver, trabalhar e conversar … ou calar. É o que atesta o estado de impermanência que nos acomete em situações pontuais, mas constantes, como as falas do presidente e medidas oficiais que transbordam desumanidade, distorcem fatos e criam verdades sem lastro … doa a quem doer. Eliane fala da importância da cultura e da educação para enfrentar esse contexto – não à toa elas estão sob ataque intenso.

Concordo plenamente. Mas acredito que há algo mais, que remete a fenômenos menos recentes e mais profundos do Brasil, mas também do mundo Ocidental. Dos mais ricos aos mais pobres, não importa de qual corrente política, somos fruto de um modelo de formação das pessoas que negligencia sua complexidade. A grande maioria dos projetos educacionais são voltados à constituição de profissionais para o mercado de trabalho. Das atividades mais simples, aos grandes pesquisadores e CEOs.

Estamos todos unidos numa perspectiva de ser humano que nos reduz a um agente de produção e a alguns indicadores de sucesso aparente, deixando de lado nossas sensibilidades, nossas singularidades no modo de viver e de conectar com outros; nossos desejos e sonhos que não combinem com os caminhos conhecidos do mercado; nossas pontes com os fenômenos e ciclos da natureza; nossas pequenas loucuras criativas, potências para a arte, capacidades para cultivar experiências que se traduzem sob o nome de espiritualidade.

Uma das raízes dessa cultura ocidental de séculos é a segmentação entre corpo e mente (e alma e natureza). Este dogma permitiu construir a noção de que importante é o que você expressa racionalmente e socialmente. Todo o resto são elementos secundários da vida humana e hierarquicamente inferiores.

Mas eis que quando as pessoas começam a “adoecer de Brasil”, somos confrontados com o entrelaçamento entre todas aquelas camadas que pareciam distintas e separáveis. O que você faz e pensa atravessa o que sente, que atravessa as trivialidades do dia-a-dia, e seu ente social e sua vida privada e sua condição natural e todos os indizíveis que atravessam o estar vivo.

sentinel_by_jack_troloveSe não reconhecemos e degustamos a complexidade que somos, nosso repertório fica limitado para construir empatia, para entender a condição sistêmica do meio ambiente em colapso, para relativizar a política e também para engrandecer a política, e o diálogo, e a importância de sermos uma forma de vida coletiva que é um golpe de sorte no cosmos… E que é mais importante do que ganhar uma discussão e certamente do que banalizar destinos trágicos que acometem os oprimidos, os que são mortos e aqueles em depressão.

Mas séculos de um mantra raso e às vezes macabro – de que ser humano se resume a cérebro e a papéis sociais – não se inverte de uma hora para a outra. E, certamente, não acontece apenas pelo intelecto e pela palavra, que são parte dos domínios que nos trouxeram até aqui.

É preciso nutrir as sensibilidades. Mas não só aquelas que testemunhamos enquanto expectadores de uma obra de arte instigante. É preciso corpo! Não o das academias, que é fruto daquela mesma lógica superficial. Corpo em camadas, entrelaçado às relações, ao ambiente, às transcendências. Corpo que vai para a rua, mas também o corpo que gera conhecimento de si e do todo, porque revela as dimensões micro e macro da vida em suas dinâmicas internas e modos de conectar-se e traduzir o que está à volta. Corpo que muda perspectivas quando abre a sensorialidade e percebe dentro e fora pela experiência, pelo encantamento e não só pelo discurso. Corpo que acolhe ao descobrir suas consistências, mesmo quando o mundo à volta desmorona. E, por essa potência, é capaz de transformar.

Abrir-se ao corpo complexo, nossa condição onipresente no mundo, é refutar os limites que nos engessam e nos oprimem neste momento histórico. E recusar quando a sensação de horror convida à paralisia! Os caminhos para isso existem, mas certamente há que se farejar, pois se esgueiram pelas brechas, entre tantos padrões. Tenho buscado com o ConeCsoma trazer uma contribuição.

Mobilizar o corpo integrado é modificar paradigmas.

Imagem: “Sentinel”, por Jack Trolove

Vocações de uma cultura milenar e o #soswajãpi

Costuma gerar encantamento a expressão “cultura milenar”. Logo pensamos em povos antigos do Oriente, com suas tradições, referências estéticas singulares e conhecimento riquíssimo sobre o humano e o cosmos. Todos esses elementos se repetem do lado de cá: os povos indígenas das Américas, muitos deles ocupando terras localizadas no Brasil, são representantes de culturas ameríndias de milhares de anos, com uma longa história registrada em mitos inspiradores; com tecnologias de convívio com a floresta que fazem parte de sua biodiversidade e resultaram no desenvolvimentos de inúmeras espécies agrícolas, de uma medicina e cosmética com base na natureza; com modos de existência em comunidade, permeados por um imaginário que integra cognição, espiritualidade e criatividade, e por rituais que ajudam a dar sentido à vida, fortalecendo laços humanos e a própria saúde do corpo. Em termos de conhecimento contemporâneo, todos esses elementos são almejados hoje por uma sociedade urbana e industrializada sob o nome de sustentabilidade.

Mas os ranços e preconceitos sócio-históricos diminuem e negligenciam a grandeza desses povos e de suas contribuições para nossa civilização. Ao ponto de ameaçarem suas terras, sua cultura, sua existência. Atualmente, vivemos um dos momentos mais agressivos e drásticos dessa relação, com a conivência às vezes velada, às vezes anunciada, do governo federal frente ao avanço de grileiros, madeireiros, garimpeiros e outros sobre as culturas milenares no Brasil e as suas terras. Qualquer nação que preserve suas raízes ou que reconheça a importância das tradições e culturas humanas consideraria isto inadmissível.

O grito mais recente de tantos povos hoje ameaçados veio com o #soswajãpi, desde o Amapá, onde as áreas tradicionalmente ocupadas pelo povo indígena Wajãpi e reconhecida oficialmente pelo Estado brasileiro, foi invadida por grupo armado e põe em risco a vida desses índios – um deles, já assassinado. Ainda assim, esperançosos de fazer valer os laços que os ligam ao seu país, pediram ajuda e a presença do Estado, para evitar que entrassem em situação de conflito. Ouve-se mais silêncio, do que respostas. E o tempo corre.

É preciso que os brasileiros assumam para si a condição de um país de cultura milenar, que a valoriza, preserva e pela qual exige respeito e a devida proteção do Estado. Caso contrário, uma frase célebre de Caetano Veloso e Gilberto Gil em outro contexto, passe a representar o horror anunciado: “O silêncio sorridente de São Paulo, diante da chacina.” Quero acreditar que não chegamos tão baixo, que somos capazes de reverter o momento histórico atual, e que merecemos a confiança dos povos indígenas que chamam esta sociedade para o diálogo e a convivência.

#soswajãpi

Foto: Heitor Reali – IPHAN